MotorDream

Testes

Teste: Fiat Argo HGT manual - Na medida do prazer

30/08/2017 11:00  - Fotos: Márcio Maio/ Carta Z Notícias
Envie por email

Na contramão do downsizing, Fiat Argo HGT manual prioriza o desempenho com o motor 1.8 aspirado
 
Por Márcio Maio
Auto Press
 
Quando a Fiat lançou o compacto Argo, uma das pretensões era substituir o hatch Punto, descontinuado pela marca neste ano. No modelo extinto, duas configurações destacavam-se pelo apelo esportivo: a Sporting e a T-Jet. Para manter a ideia de desempenho, o Argo traz uma variante planejada para priorizar o vigor – a HGT. E seus números se enquadram em uma espécie de meio-termo junto ao antecessor: seus 139 cv atingidos pelo mesmo 1.8 de antes é mais que os 132 cv máximos do Punto Sporting, mas menos que os 151 cv entregues pelo turbinado Punto T-Jet, que se alinhava à atual tendência de downsizing – entregar mais força a partir de motores menores, com a ajuda de turbocompressores. 
É com o câmbio manual de cinco velocidades que o Argo HGT expressa sua veia mais esportiva. Com o pedal da embreagem, o hatch chega aos 192 km/h de velocidade máxima e parte do zero aos 100 km/h em apenas 9,4 segundos. O torque máximo, de 19,3 kgfm com etanol no tanque, dá as caras em 3.750 rpm. E para ajudar a garantir a nota B tanto em sua categoria quanto no geral do teste realizado pelo InMetro de eficiência energética, a marca italiana adotou a tecnologia start/stop, que desliga o motor em paradas como as de sinais de trânsito e o religa quando se aciona a embreagem. 
Como de praxe no nicho de versões esportivas, o Argo HGT vem acompanhado de adereços visuais e particularidades tecnológicas para diferenciá-lo do resto da gama. A variante oferece itens exclusivos, como o display multicolorido de sete polegadas de alta definição e personalizável no quadro de instrumentos. Externamente, ele se diferencia por grade dianteira inferior com acabamento vermelho, spoilers no para-choque, moldura preta na parte inferior da lateral e nas caixas de roda, ponteira de escapamento trapezoidal cromada e rodas de liga leve aro 16. Há ainda uma calibração de suspensão e controle de estabilidade voltados para uma condução mais esportiva. Por dentro, também entra um revestimento vermelho na parte central do painel. 
O pacote de série é até bom, mas não se destaca tanto diante dos compactos concorrentes. O ar-condicionado é manual e direção, vidros, travas e retrovisores são elétricos. Controle eletrônico de estabilidade e tração estão presentes – esse até é um diferencial, já que alguns modelos do segmento ainda dispensam tais tecnologias de segurança. A central multimídia tem tela de sete polegadas touchscreen compatível com Android Auto e Apple Car Play. O preço, no entanto, se mostra um tanto salgado. Começa em R$ 64.600, mas essa conta pode ser elevada em R$ 9 mil com a adição de bancos revestidos em couro ecológico, rodas de liga leve de 17 polegadas, ar-condicionado digital, retrovisores com rebatimento elétrico, chave presencial, sensor de chuva e crepuscular, airbags laterais, sensor de estacionamento traseiro e câmara de ré. Completo por R$ 73.660, entrega uma fatura alta em um mercado cada vez mais turbinado e que valoriza a combinação de desempenho com eficiência energética. 
 
Ponto a ponto
 
Desempenho – O Fiat Argo HGT manual faz jus à proposta esportiva da versão. O motor 1.8 de 139 cv move com bastante agilidade o hatch compacto e arrancadas, retomadas e ultrapassagens são feitas sem grande esforço. A transmissão manual de cinco velocidades tem engates precisos e é fácil arrancar alguma dose de diversão ao volante. Nota 9.
 
Estabilidade – A suspensão da configuração HGT privilegia a esportividade, com um ajuste mais firme se comparada às outras variantes. As curvas são encaradas com bastante equilíbrio e há também controle eletrônico de estabilidade de série, para controlar qualquer exagero do condutor. Mas, de maneira geral, o compacto consegue manter bem a aderência nas quatro rodas – mesmo quando se pisa com vontade no acelerador. Nota 9.
 
Interatividade – Esse é um ponto de destaque no Argo HGT. Há comando vocal e uma tela “touch” de sete polegadas situada no console central que acessa a central multimídia e espelha smartphones Android e iPhones. O volante é multifuncional e traz botões para informações de computador de bordo e Bluetooth, mas o lado direito dele traz tampas cegas – algo um tanto incômodo para um carro que ultrapassa os R$ 64 mil. Todos os comandos ficam bem posicionados e é bem fácil se familiarizar a eles. Nota 7.
 
Consumo – Na avaliação do InMetro, o Argo HGT manual conquistou médias de 7,8/9,2 km/l com etanol no tanque na cidade/estrada e 11,4/13,3 km/l com gasolina, nas mesmas condições. Ganhou nota B tanto no geral quanto em sua categoria. Não é ruim, ainda mais pela proposta da configuração, que é de desempenho e não eficiência energética. Nota 7.

Conforto – Apesar de não ser direcionada a essa finalidade, a suspensão até absorve boa parte das imperfeições das ruas brasileiras. Os bancos são ergonômicos e recebem bem os passageiros. O isolamento acústico também se sai bem, já que só é possível escutar o motor quando se pisa fundo no acelerador. Nota 7.

Tecnologia – O Argo tem uma nova plataforma, que utiliza aços especiais e tecnologia embarcada atualizada. Ele traz recursos eletrônicos de auxílio dinâmico, como controle de tração e estabilidade, mas essa é uma realidade que já vem sendo inserida nos novos projetos de modelos compactos no Brasil – o próprio Uno já tem. A conectividade é realizada de forma comum à categoria, mas com tela de alta definição. Há sistema start/stop, mas o motor da versão HGT, agora rebatizado de E-Torq EVO VIS Flex, é velho conhecido da marca no país – trata-se de uma evolução do que foi apresentado no Punto em 2010. Nota 7.
 
Habitabilidade – O espaço interno é um dos pontos altos do Argo – a própria marca aponta que, entre os compactos do Brasil, só o Renault Sandero o supera. Há espaço para as pernas no banco traseiro sem que isso dependa da boa vontade dos ocupantes da frente. Porém, a inclinação acentuada da coluna traseira faz com que seja necessário baixar um pouco mais a cabeça para entrar no carro. O porta-malas carrega bons 300 litros. Nota 8.
 
Acabamento – Mesmo as superfícies com materiais mais rígidos têm textura e revestimentos agradáveis. Opcionalmente, é possível ter os bancos revestidos em “couro ecológico”. Além disso, há revestimento vermelho na parte central do painel. Nota 8.
 
Design – A versão esportiva da gama tem um visual em sintonia com sua proposta. A grade dianteira inferior traz acabamento vermelho, há spoilers no para-choque e moldura preta na parte inferior da lateral e nas caixas de roda. Um charme extra aparece atrás, na ponteira de escapamento trapezoidal cromada. De perfil, opcionalmente, as rodas de liga leve podem ter 17 polegadas. Nota 8.
 
Custo/benefício – A proposta esportiva do Argo HGT o coloca na briga com outros hatch compactos de visual apimentado, embora suas especificações técnicas até se destaquem diante de boa parte da concorrência. O preço começa em R$ 64.600, mas com rodas de 17 polegadas, bancos de couro, ar digital, sensores de estacionamento traseiros, câmara de ré, retrovisores externos com rebatimento elétrico e luz de conforto, chave presencial, sensor de chuva e crepuscular, airbags laterais e retrovisor interno eletrocrômico, esse valor sobe para R$ 73.600. É um bom pacote, mas com preço extremamente “salgado”. Um Hyundai HB20 R Spec custa R$ R$ 62.430, com transmissão automática e 128 cv – ele não sai com câmbio manual. Já um Renault Sandero R.S. Racing Spirit sai a R$ 66.400, tem propulsor 2.0 de 150 cv e boa relação de 7,74 kg/cv – no Argo HGT, é de 8,94 kg/cv. Nem mesmo para quem busca mais esportividade o preço do Argo HGT compensa. Nota 5.
 
Total – O Fiat Argo HGT manual somou 75 pontos em 100 possíveis.
 
Impressões ao dirigir

Diversão confortável
 
O Fiat Argo é um carro que chama atenção nas ruas, seja pelo fator novidade – seu lançamento aconteceu entre o fim de maio e o início de junho – ou mesmo pelas linhas, que transmitem alguma elegância com certa esportividade. Mas é na versão HGT que este último traço se sobressai, com detalhes que expressam mesmo uma ideia de vigor. Principalmente na traseira, com sua ponteira de escapamento trapezoidal e cromada. 
O espaço interno é muito bom, considerando que o Argo é um hatch compacto. Há uma área respeitável para pernas e a boa altura da carroceria, de 1,51 metros, cria espaço de sobra para a cabeça. O acabamento traz revestimentos de toque agradável e, no caso da configuração HGT, há um aplique vermelho no painel central que contribui para a atmosfera charmosa e instigante da variante. 
Em movimento, acelerações e retomadas são encaradas com bastante vigor. O motor 1.8 de 139 cv e 19,3 kgfm torna a direção até divertida, com uma relação peso/potência de 8,94 kg/cv e zero a 100 km/h cumprido em 9,4 segundos – com câmbio automático, esse tempo sobe exatamente 1 segundo. Apesar de a suspensão ter um ajuste mais firme, para garantir estabilidade, ela absorve com habilidade a buraqueira das ruas brasileiras. Além disso, a central multimídia com tela de sete polegadas impressiona pela funcionalidade e alta definição. Pode-se dizer que o Fiat Argo HGT é capaz de entregar bem além do desempenho proposto pela assinatura esportiva da gama.
 
Ficha técnica
 
Fiat Argo HGT manual
 
Motor: Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.747 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro e comando simples no cabeçote. Coletor de admissão variável, injeção eletrônica multiponto e acelerador eletrônico.
 
Transmissão: Câmbio manual de cinco velocidades à frente e uma a ré. Tração dianteira. Oferece controle de tração.
 
Potência: 135 cv com gasolina e 139 cv com etanol a 5.750 rpm.
 
Torque máximo: 18,8 kgfm com gasolina e 19,3 kgfm com etanol a 3.750 rpm.
 
Aceleração 0-100 km/h: 9,4 segundos.
 
Velocidade máxima: 192 km/h.
 
Diâmetro e curso: 80,5 mm x 85,8 mm. Taxa de compressão: 12,5:1.
 
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, braços oscilantes inferiores com geometria triangular e barra estabilizadora, amortecedores hidráulicos e pressurizados e molas helicoidais. Traseira semi-independente por eixo de torção com molas helicoidais e amortecedores de duplo efeito. Oferece controle eletrônico de estabilidade de série.
 
Pneus: 195/55 R16.
 
Freios: Discos sólidos na frente e a tambor atrás. Oferece ABS com EBD.
 
Carroceria: Hatch em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. Comprimento de 4,00 metros com 1,75 m de largura, 1,51 m de altura e 2,52 m de entre-eixos. Possui airbags frontais de série. 
 
Peso: 1.243 kg.
 
Capacidade do porta-malas: 300 litros.
 
Tanque de combustível: 48 litros.
 
Lançamento no Brasil: 2017.
 
Produção: Betim, Minas Gerais.
 
Itens de série: Duas portas USB (uma para passageiros traseiros), aerofólio traseiro e capa dos retrovisores com pintura exclusiva na cor cinza, alarme antifurto, alertas de limite de velocidade e manutenção programada, apoia-pé para o motorista, ar-condicionado, banco do motorista com regulagem de altura, banco traseiro rebatível e bipartido 60/40, brake light, central multimídia UCONNECT de sete polegadas touchscreen com Android Auto e Apple Car Play, Bluetooth, entrada USB e sistema de reconhecimento de voz, chave canivete com telecomando para abertura das portas, vidros e porta-malas, computador de bordo, desembaçador do vidro traseiro temporizado, direção elétrica progressiva, controle eletrônico da aceleração, escapamento traseiro esportivo, sinalização de frenagem de emergência, estepe de uso emergencial, faróis de neblina, gancho universal para fixação de cadeira de criança Isofix, grade inferior dianteira com aplique na cor vermelha, assistente de partida em subida, quadro de instrumentos de alta resolução TFT de sete polegadas personalizável, retrovisores externos elétricos com função Tilt Down e setas integradas, rodas de liga leve de 16 polegadas, sistema de monitoramento de pressão dos pneus, sistema Start&Stop, suspensão com calibração esportiva, tomada 12V, travas elétricas, vidros elétricos dianteiros e traseiros com one touch e antiesmagamento, volante com regulagem de altura e profundidade e revestido em couro. 
 
Preço: 64.600. 
 
Opcionais: Bancos revestidos em couro ecológico, rodas de liga leve de 17 polegadas com pneus 205/50 R17, ar-condicionado digital, retrovisores externos com rebatimento elétrico e luz de conforto, chave presencial, sensor de chuva e crepuscular, retrovisor interno eletrocrômico, airbags laterais, sensor de estacionamento traseiro e câmara de ré. 
 
Preço completo: R$ 73.600.

TRÂNSITO LIVRE

todos

Comentários

Não há comentários para este artigo.

Para postar comentários é necessário ser cadastrado no nosso site. Deseja se cadastrar gratuitamente?

Motor Dream
MotorDream - Rua Barão do Flamengo, 32 - 5º Andar - Flamengo
Rio de Janeiro - RJ - Cep: 22220-080
Telefone: (21) 2286-0020 - Fax: (21) 2286-1555

Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados.
GEO: -22.932985, -43.176320
Webroom Soluções Interativas