MotorDream

Testes

Teste: Ford Ka FreeStyle - Crossover tecno

05/06/2018 20:03  - Fotos: Eduardo Rocha / Carta Z Notícias
Envie por email

Teste: Ford Ka FreeStyle - Crossover tecno

 Versão FreeStyle chega como a mais completa e requintada do Ford Ka

POR EDUARDO ROCHA
AUTO PRESS
 
Para ganhar volume, as fabricantes costumam lançar diversas versões em busca de ampliar o leque de consumidores e alavancar ainda mais seus modelos bem-sucedidos. A Ford, no entanto, decidiu seguir um caminho alternativo ao criar uma configuração crossover para o pequeno Ka. A versão FreeStyle surge como a mais potente, completa, tecnológica e requintada da linha. A ideia ainda é, claro, ganhar mercado. Só que, neste caso, com vendas mais qualificadas pois trata-se de um modelo completo e com bastante tecnologia embarcada, capaz de oferecer maior lucratividade. Daí a diferença de preço para a atual versão de topo do Ka, a SEL 1.5, que custa iniciais R$ 57.390. O valor pedido pelo novo Ka FreeStyle começa em R$ 63.490 com câmbio manual e vai a R$ 67.990 com transmissão automática.
 
Da motorização ao visual, passando pela suspensão e estrutura, o Ka FreeStyle foi intensamente retrabalhado. O novo motor 1.5 de três cilindros é o que já a equipa as versões de entrada do EcoSport e pertence à família Dragon, a mesmo do propulsor 1.0 três cilindros que equipa o próprio Ka. Ele rende 128/136 cv com gasolina e etanol. Com ele, estreia na linha o câmbio automático de seis marchas, que não é oferecido nas atuais versões com motor 1.5 Sigma, de 105/110 cv.
 
Para encarar a proposta de crossover e o aumento de potência, a Ford tratou de enrijecer a estrutura, com reforços no monobloco, e introduziu diversas mudanças na suspensão, com aumento da bitola em 3 cm, adoção de uma barra estabilizadora de maior calibre, amortecedores e molas 30% mais resistentes na traseira e amortecedor com limitador hidráulico na frente. Passou a usar também rodas e pneus de perfil maior, 185/60 R15, iguais aos da versão Trail, que agora deixa de ser oferecida.
 
Na configuração FreeStyle, o Ka perde completamente o ar de carro de entrada que assume nas versões mais simples. O visual do modelo foi detalhadamente mexido, apesar de não receber nenhuma peça de acabamento nova. As cores internas são em preto e marrom e os bancos têm revestimento combinando couro e tecido. O que tem de diferente, além da alavanca para o câmbio automático, é a central multimídia de terceira geração Sync 3 – semelhante à do Mustang –, monitorada por uma tela touch que se projeta no console central. Ela tem recursos de comandos de voz evoluídos e conexão com Android Auto e Apple CarPlay e permite até o uso de Waze com iPhone.
 
O modelo ganhou um conteúdo que o alinha com os compactos mais modernos do mercado, com seis airbags, controle de estabilidade e tração, sistema anticapotamento, assistente de partida em rampa, câmara e sensores traseiros, direção elétrica progressiva com sistema que reduz a transferência de torque para o volante e controla desvios provocados por ventos laterais ou desníveis no piso.
 
Pela avaliação da montadora, as versões crossovers dos hatches compactos têm potencial de abocanhar 22% do mercado, mas atualmente só respondem por 5% dele. Em parte, isso ocorre em função da pequena oferta atual – há apenas Chevrolet Onix Activ, Hyundai HB20X e Honda WR-V na disputa. De qualquer forma, a Ford enxerga o crescimento deste nicho como inexorável e pretende estar bem representada quando a tendência se concretizar.

Ponto a ponto
 
Desempenho – O motor 1.5 litro de 128/136 cv empurra o Ka FreeStyle com muita facilidade. A pequena inércia do propulsor de três cilindros e o baixo peso do veículo – tem 1.080 kg – se combinam de forma bem animada. Basta pisar para que o ponteiro do velocímetro suba rapidamente. O ganho de velocidade é progressivo, sem buracos. Segundo a Ford, o zero a 100 km/h é cumprido em bons 10,4 segundos. Nota 9.
 
Estabilidade – A Ford reforçou a estrutura e repaginou completamente a suspensão de seu pequeno crossover para que enfrentasse melhor os pisos mais acidentados. Aumentou a altura livre do carro em 19 mm – tem agora 18,8 cm–, mudou o acerto de molas e amortecedores, engrossou o calibre da barra estabilizadora, ampliou a bitola, enrijeceu a traseira e adotou pneus com perfil mais alto. Nesse processo, perdeu um pouco de maciez, mas rola pouco nas curvas e filtra bem as irregularidades do piso. Nota 8.
 
Interatividade – A Ford buscou deixar o Ka FreeStyle bem funcional. Instalou seu sistema multimídia de 3ª geração, o Sync 3, que traz recursos evoluídos de comando vocal e é gerenciado também através de uma tela touch, de 6,5 polegadas, instalada no alto do console frontal. O crossover ganhou também volante multifuncional para comandar a central multimídia e o controle de cruzeiro. Só o controle do modo sequencial do câmbio automático contraria a lógica de praticidade, pois as trocas têm de ser feitas através de um desajeitado botão na lateral da manopla de câmbio. Nota 8.
 
Consumo – O InMetro ainda não publicou os índices oficiais para o modelo. Mas, segundo a Ford, o novo motor 1.5 de três cilindros com câmbio automático é tão econômico quanto o antigo Sigma 1.5 de quatro cilindros com câmbio manual – que tem notas A na categoria e B no geral. A média ponderada para os dois modelos é de 11,8 km/h. Nota 7.
 
Conforto – A suspensão mais rígida tirou um pouco do conforto mas não chegou a comprometer a vida a bordo. E os bancos, embora firmes, são bastante ergonômicos. Em compensação, o Ka FreeStyle ficou mais silencioso. Ganhou vidros dianteiros acústicos e passou por diversos ajustes para impedir que os ruídos de rodagem entrassem no habitáculo. O câmbio automático também contribui para tornar a vida do motorista mais fácil. Nota 8.
 
Tecnologia – Com esta versão, a Ford quis elevar o nível de seu compacto e fez várias intervenções neste sentido. Instalou seis airbags, controles de estabilidade e tração, auxílio para partida em rampa, sistema multimídia de última geração, câmbio automático, motor mais moderno, sensor de estacionamento traseiro, câmara de ré e sistema isofix. Está com sobras na categoria de hatch crossover. Nota 9.
 
Habitalidade – A boa altura interna dá uma boa sensação de espaço no habitáculo. Mas o entre-eixo não é dos maiores – tem 2,49 metros –, e a área para joelhos, ombros e cabeça é apenas adequada para quatro adultos. O porta-malas, de 257 litros, é modesto. Nota 6.
 
Acabamento – A nova versão traz uma significativa melhora tanto no aspecto quanto nos materiais empregados no acabamento interno. A combinação de marrom e preto no revestimento fica elegante. A tela elevada no meio do painel dá um toque tecnológico ao interior. O revestimento dos bancos, que mistura tecido e couro, dá certa classe ao carro. Nota 8. 
 
Design – Os adereços do FreeStyle não escondem o formato rechonchudo do Ka, mas deixaram o carrinho bem diferente das versões civis. Os novos para-choques cheios de reentrâncias e detalhes, a grade dianteira em losangos, o rack de teto e a moldura em plástico preto que contorna toda a carroceria emprestam um ar bem robusto. Ficou com jeito aventureiro sem ser espalhafatoso. Nota 8.
 
Custo/benefício – A Ford lançou mão de quase todos os recursos disponíveis para os modelos feitos no Brasil para instalar nesta nova versão do Ka. E isso acabou por melhorar a relação custo/benefício do modelo, apesar de o preço de R$ 67.990 não deixá-lo tão acessível. De qualquer forma, ele é mais completo que os rivais com preço semelhante ao de Chevrolet Onix e Hyundai HB20X e mais barato que o do Honda WR-V. Nota 8.
 
Total – O Ford Ka FreeStyle somou 79 pontos de 100 possíveis.
 
Primeiras Impressões
Mudança de status
 
Tatuí/São Paulo – A elevação do nível de conteúdo e acabamento do Ka FreeStyle em relação ao restante da linha fica evidente já do lado de fora. Grade, guarnições e protetores de para-lamas evidenciam o  cuidado da Ford ao projetar a versão crossover de seu hatch compacto. No interior, a sensação se mantém. A combinação de preto e marrom nos revestimentos e na forração dos bancos, em couro e tecido, quanto no teto na cor preta deram classe ao interior.
 
No painel, destaca-se a tela touch de 6,5 polegadas que se projeta do console central, que dá um ar tecnológico ao modelo. Esta impressão se confirma tanto pela central multimídia em si, Sync 3, quanto pelo novo padrão de conteúdo do modelo, com seis airbags, controle de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa e o câmbio automático de seis marchas, que gerencia o novo motor 1.5 de três cilindros, que deixou o pequeno Ka bastante acesso.
 
Afinal, são 136 cv de potência com etanol – 128 cv com gasolina – para um modelo que pesa 1.080 kg, uma relação próxima a 8 kg/cv. Isso garante uma boa dose de esportividade, com arrancadas e retomadas feitas com muita facilidade. Este ganho dinâmico e a adoção da personalidade aventureira forçaram um ajuste forte de suspensão, com enrijecimento do conjunto e aumento da bitola. Além disso, a plataforma ganhou reforços estruturais para aumentar a rigidez torcional. O resultado é que, apesar de mais alto, o Ka ficou mais neutro nas curvas e bastante apto a enfrentar pisos irregulares. 
 
Ficha técnica
Ford Ka FreeStyle
 
Motor: Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.497 cm³, três cilindros em linha, duplo comando variável na admissão e no escape no cabeçote e quatro válvulas por cilindro. Acelerador eletrônico e injeção eletrônica multiponto sequencial.
Transmissão: Câmbio manual de cinco marchas ou automático com modo sequencial manual de seis marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira e controle eletrônico de tração.
Potência: 128/136cv com gasolina/etanol a 6.500 rpm.
Torque: 15,6/16,1 kgfm a gasolina/etanol a 4.750 mil rpm.
Diâmetro e curso: 84 mm X 90 mm. Taxa de compressão: 12:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira semi-independente por eixo de torção, molas helicoidais e amortecedores hidráulicos. Controle de estabilidade de série.
Pneus: 185/65 R15.
Freios: Discos ventilados na frente e tambores atrás. ABS com EBD com assistência de frenagem e de partida em rampa.
Carroceria: Hatch em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 3,89 metros de comprimento, 1,70 m de largura, 1,57 m de altura e 2,49 m de entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais e de cortina de série.
Peso: 1.080 kg.
Capacidade do porta-malas: 257 litros.
Tanque de combustível: 51,6 litros.
Produção: Camaçari, Bahia, Brasil.
Lançamento no Brasil: 2018.
Itens de série: Ar-condicionado, direção elétrica, vidros e travas elétricas com controle remoto, chave canivete, airbags frontais, laterais e de cortina, freios ABS com EBD, abertura elétrica do porta-malas, ajuste de altura da coluna de direção, sistema multimídia Sync 3 com comando de voz e conexão Bluetooth, tela flutuante de alta resolução com 8 polegadas, rodas de liga leve com 15 polegadas, pneus de uso misto, faróis de neblina dianteiros, controle de estabilidade e tração, auxílio de partida em rampa, banco parcialmente revestidos em couro, rack no teto, sensor de estacionamento traseiro e câmara de ré.
Preço da versão manual: R$ 63.490.
Preço da versão automática: R$ 67.990.

TRÂNSITO LIVRE

todos

Comentários

Não há comentários para este artigo.

Para postar comentários é necessário ser cadastrado no nosso site. Deseja se cadastrar gratuitamente?

Motor Dream
MotorDream - Rua Barão do Flamengo, 32 - 5º Andar - Flamengo
Rio de Janeiro - RJ - Cep: 22220-080
Telefone: (21) 2286-0020 - Fax: (21) 2286-1555

Copyright © 2018 - Todos os direitos reservados.
GEO: -22.932985, -43.176320
Webroom Soluções Interativas